Depois de tantos anos de experiência, fui percebendo que o contexto em que vivemos contribui muito para a manifestação de alguns transtornos.

Ao tentar entender o problema do qual a pessoa se queixa, eu acabo olhando também para o meio no qual ela está inserida. Como se fosse uma foto, o problema dela se destaca como a imagem principal e seu contexto fica um pouco difuso, como sendo o fundo da foto, em planos secundários. E direcionamos nosso olhar para isso que está no fundo e ao mesmo tempo, fazendo parte de todo o cenário. Olhamos para as relações e para os hábitos cotidianos.

Todas as nossas relações se cruzam e se conectam como um sistema de redes, como uma teia. Se pensamos no nosso relacionamento amoroso, trazemos para ele, reflexos das nossas relações familiares. Se essas relações não estão bem, provavelmente isso refletirá na nossa relação com o trabalho. E podemos ainda, buscar auxílio para esses conflitos em nossa rede de amigos, chegando ao âmbito social.

Outro aspecto preenche o espaço entre essas linhas. São as coisas que fazemos no nosso dia a dia. Se nos sentimos bem com o que fazemos na nossa rotina, o impacto disso é positivo e promove leveza ao sistema. Mas se fazemos coisas que nos desagradam ou simplesmente não fazemos nada, o reflexo pode ser uma sensação de esvaziamento, inércia ou um peso, demasiadamente, difícil de lidar.

A isso chamamos de estilo de vida. O estilo vida compreende um conjunto de padrões específicos de conduta e comportamento. É composto pelas nossas escolhas de consumo, vestimenta, alimentação, lazer e prática esportiva. O estilo de vida que temos também sinaliza a forma como nos adaptamos ao meio ambiente no qual vivemos.

E pra concluir, podemos dizer que o estilo de vida interfere diretamente na nossa saúde emocional e psicológica. Estilo de vida saudável, promove vida saudável.
Por isso, fazer terapia ou tomar medicação não resolve todos os nossos problemas.

Precisamos olhar pro nosso estilo de vida, pros nossos hábitos e pras nossas escolhas. Promovendo mudanças no nosso cotidiano, estamos cuidando, de maneira global, de nós mesmos.